Bará e a oferenda aos ancestrais - Charles Corrêa D'Oxum

Bará e a oferenda aos ancestrais



Certo dia Iansã, Oxum e Iemanjá resolveram ir juntas ao mercado de Oyó fazer compras.

Lá chegando, tomaram conhecimento das novidades trazidas pelos mercadores como tecidos, contas e especiarias diversas, nesse instante, Bará chega no mercado trazendo uma cabra.

Ele para e observa de longe as três mulheres conversando animadamente, e resolve fazer uma prova entre elas, o que constitui uma de suas características, aproxima-se das três dizendo:

"Eu vou deixar a cidade para um importante negócio com meu amigo Orumilaia.

Assim, eu lhes peço que vendam minha cabra e em troca eu darei a vocês metade do valor.

Como o preço são vinte búzios, eu darei dez para vocês e dez ficarão para mim".

Elas aceitaram e Bará partiu. Logo a cabra foi vendida por vinte búzios. Elas separaram dez búzios para Bará e começaram a dividir os dez restantes entre elas.

Iemanjá iniciou a divisão.

Ficaram três búzios para cada uma delas, mas sobrou um.

Iansã então, tomou a iniciativa.

Fez três pilhas e em cada uma colocou três búzios, porém da mesma forma sobrou um.

Depois disto foi a vez de Oxum, mas continuava sobrando um.

E as três começaram a discutir acerca de quem poderia pegar a porção maior, Iemanjá dizia:

"É justo que a mais velha deva pegar a porção maior. Portanto, eu ficarei com o búzio extra."

Oxum replicou: "Não, onde eu nasci, nas terras de Oxogbo, diz-se que o mais novo é sempre tratado com mais generosidade. Assim, o búzio extra deverá ser meu."

Até que Iansã tomou a palavra: "O assunto está em disputa. Tem-se dito que, nesses casos de disputas entre os mais velhos com os mais novos, a maior porção deverá ir para aquele que está entre os dois lados.

Em Irá, de onde eu vim, é assim que se faz.

Portanto, o búzio que está sobrando deve ser meu."

E a discussão se acentuou.

Como não conseguiram chegar a uma conclusão, pediram a um homem do mercado fazer a divisão.

Ele disse: "Dez não pode ser dividido em três partes iguais.

Sempre sobra um.

Quem merece ficar com ele?

De acordo com o que eu tenho escutado, é a pessoa mais velha, porque é mais antiga no mundo e, consequentemente, a que tem sofrido mais do que as outras.

A minha conclusão é de que o búzio deve ser dado à pessoa mais velha dentre vocês".

Iansã e Oxum rejeitaram seus conselhos e recusaram dar à Iemanjá a parte maior.

Outra pessoa foi convidada a fazer a divisão dos búzios, começou a contá-los e disse:

"Não existe maneira de fazer esta divisão. Sempre sobrará um búzio. Quem deve ficar com ele?

Penso que, numa situação desta natureza, a pessoa mais nova é que deve ser a favorecida, porque os jovens estão no mundo há pouco tempo e têm recebido menos benefícios que os outros.

Os mais novos são empurrados de lado nos grandes movimentos, os caçadores jovens andam sempre atrás, e as esposas mais jovens têm a vida mais árdua.

Por isso, quando surge uma divisão desigual, a pessoa mais jovem merece a vantagem".

Iemanjá e Iansã não concordaram.

Disseram: "Nós nunca ouvimos tal afirmação. Não podemos aceitar isso".

Um outro homem foi chamado entre aqueles que estavam no mercado.

Contou os búzios, separou três a três, deixando o último búzio à parte, e falou:

"Diz-se que a pessoa mais velha deve pegar a porção extra, enquanto outros dizem que é a mais jovem que deve receber a porção maior. Assim, creio que nem para a mais velha, nem para a mais nova, mas sim para aquela que estiver entre as duas.

Iansã é mais velha que Oxum e mais nova que Iemanjá. Deste modo ela apresenta as condições ideais.

Deem a ela o búzio extra".

Mas Iemanjá e Oxum não aceitaram seus conselhos e se recusaram a dar o búzio para Iansã, continuando a divisão sem solução, até que a discussão entre todos se tornou mais acirrada.

Neste instante chegou Bará.

Aproximou-se das três e perguntou onde estava a parte dele da venda da cabra.

Elas lhe entregaram os dez búzios e, ao mesmo tempo, pediram o seu conselho para a divisão entre elas, em partes iguais.

Bará ficou alguns instantes pensativo e, depois, tomou em suas mãos os dez búzios, separou três e deu à Iemanjá, mais três e entregou à Iansã, e os outros três deu para Oxum.

Ficando com o décimo búzio em sua mão, ajoelhou-se e fez um pequeno buraco no chão, colocando nele o búzio.

Depois o cobriu com a terra e disse: "Este búzio é para os ancestrais, senhores da terra e deve ser enterrado porque o solo é a morada das divindades.

No orum era assim que fazíamos.

Sempre que alguém recebia algo bom, devia se lembrar daqueles que o haviam antecedido.

Quando as colheitas são trazidas dos campos, a primeira divisão deve ser dada sempre para os ancestrais.

Quando se realiza uma festa, uma porção deve ser separada para os ancestrais.

Assim também com o dinheiro.

Quando ele vem até nós, devemos dar parte aos ancestrais.

Esta é a maneira que fazíamos no orum e que deveria ser feita também aqui na terra.

Vocês deveriam ter lembrado disto em vez de disputar o búzio que sobrava da divisão".

Iemanjá, Iansã e Oxum ouviram atentamente o que Bará acabara de dizer e admitiram que ele estava certo, concordando em aceitar os três búzios.

Por causa do que aconteceu no mercado de Oyó, o povo, daquele dia em diante, passou a dar uma parte aos ancestrais todas as vezes que faziam as colheitas novas ou recebiam fortunas inesperadas.





Charles Corrêa D' Oxum

Axé a todos e que os orixás abençoe a vida de cada um hoje e sempre.
Lembre-se:
A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.


Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Antes de sair gostaria de curtir a fanpage do blog?