O que são Ecós nos Cultos Afros? - Charles Corrêa D'Oxum

O que são Ecós nos Cultos Afros?


Dentro dos cultos afro, especialmente nos rituais de Batuque do Rio Grande do Sul, é comum as casas de religião como são conhecidas pelas comunidades de terreiro, utilizar ecós como forma de proteção de suas casas.

Os ecós tem por finalidade principal acumular energias negativas que se pairam no ambiente sagrado (que é despachados fora do pátio do Ilê posteriormente) e atrair como um imã bons fluídos para o local, criando um ambiente mais calmo, tranquilo e próspero, para todos aqueles que frequentam o terreiro.

Em cada Nação existem variações dos tipos de ecós realizados, a forma de feitura e quais serão realizados, no entanto todas as Nações em sua essência possuem a mesma finalidade.

Normalmente em terreiros são trocados semanalmente os ecós para os seus Orixás.

De acordo com a ocasião são servidos outros tipos de ecós, como por exemplo o ecó de axorô ou de misericórdia (servido quando é realizada sacralização de aves ou de animais de 4 patas).

O local que será despachado cada ecó depende de sua finalidade de feitura, e o Orixá para o qual foi feito. Em datas de Batuque, os ecós de Bará e Oxum são retirados após os axés de Xapanã, e despachados respectivamente no cruzeiro e dentro do espaço do terreiro.

Em geral os ecós para os Orixás de água ou de mel (Oxum, Iemanjá e Oxalá) são despachados dentro do pátio e os demais na frente do pátio, na rua ou num cruzeiro próximo do ilê.

Os ecós de Bará sempre são despachados na rua, para movimentar a casa (filhos e clientes do axé), e devem serem trocados todas as semanas, sempre em dias secos.

Quando chover é necessário que o ecó de Bará seja trocado na data seguinte.

Algumas pessoas pouco esclarecidas trocam o Bará com qualquer tempo (inclusive com chuva), e pedem para seus filhos "não colocarem no barro, e sim ao lado", orá o Bará é um Orixá do seco. 

Trocar seu ecó ou seus axés com chuva, mesmo de guarda-chuva, é no mínimo uma falta de respeito, com o Orixá, e essencialmente com a religião.

Enfim, os ecós são uma forma de trazer harmonia, tranquilidade, paz e justiça.

É uma maneira que temo de consagrar um local para o Orixá, é dizer a eles que aquele local está limpo e pronto para recebê-lo.

Durante o batuque, depois das rezas de Xapanã é feito o rito que chamamos de "saída do ecó" que nada mais é que o despacho dos ecós.

A saída do ecó simboliza a saída de toda negatividade que existe no ambiente e nas pessoas presentes, enquanto sai os ecós, os alabês continuam puxando rezas, só que agora somente as de Bará.


Não há movimento na roda e as pessoas evitam olhar para o que está acontecendo, sempre virando para a parede pois acredita-se conforme a tradição passada pelos ancestrais que quem olhar para a saída do ecó atrai para si toda negatividade ali contida.




Axé a todos!
Charles Corrêa D' Oxum

Antes de sair gostaria de curtir a fanpage do blog?